Hoje, sugiro que tire 5 minutos do seu fim-de-semana uma reflexão sobre: “O que já fiz este ano”.
Sim, eu sei que já tem um dia suficientemente ocupado. Mas podem ser 5 daqueles minutos em que usa a casa de banho (ninguém vai saber).

Imagem2.png

Provavelmente, vai sentir podia ter feito mais. É natural. Todos gostem de opinar, mas são poucos os que gostam de decidir. Parece que, em Portugal, errar é sinal de “burrice”.

O medo de arriscar e errar é o maior inibidor da mudança e do crescimento, a nível pessoal e a nível empresarial. Daqui a uns anos, estará exatamente no mesmo sítio mas mais velho/a, os resultados da empresa estarão a cair, terá menos colegas e mais preocupações.

Pior do que isso, a justificação será: “Tivemos azar!”

Azar? Será que podemos chamar azar a algo provocado por nós?
Azar é afundar o pé numa poça antes de uma reunião.
Azar é o Sr. João entornar o café que nos vai a servir em cima do colo (tem um efeito de despertador bem mais eficaz, ainda assim).
Azar é o comboio chegar 1 minuto mais tarde e já não conseguir apanhar o seguinte na troca de linha.

Ficar a ver o mundo passar e não se adaptar ou arriscar algo novo, não é azar. É auto-sabotagem.

Quero clarificar a minha posição: não estou a aproveitar o “dia do azar” para dizer que a uppOut é melhor que os outros. Só quero reforçar que a cada dia que passa, temos ainda mais vontade de arriscar e fazer diferente.

Por isso, tire 5 minutos para pensar no que já alcançou de diferente este ano. Se depois disso ainda quiser fazer a diferença para a sua empresa e não souber a melhor decisão a tomar, não se preocupe. Nós ajudamos.

No fim do ano, vai perceber que a melhor decisão que tomou não foi realmente a decisão de fazer diferente. Nem a de contactar a uppOut (apesar de também ser muito boa). Foi a iniciativa de tirar 5 minutos para refletir.

Antes de tentarmos mudar o mundo e a estratégia da empresa temos de mudar o  pensamento.
É que nós não curamos o azar. Mas ajudamos a curar o medo.

É sexta-feira 13, não é? Que se lixe.

Um abraço e até já,
Ricardo